sábado, 12 de setembro de 2009

Não quero mais essa vida pra mim!

Essa vida noturna
soturna
sempre na ponta dos pés

Lépido
flutuante
perdido

Não quero mais essa vida de "Barfly"
alcoolizado
encharcado
maltrapilho
caindo pelos cantos
rejeitado
largado
com bafo de fumaça

Não quero mais a noite
sexo, drogas e rock and roll
rock and roll, drogas e sexo
Eu sou um bom rapaz
Não sou um vagabundo!

Não quero mais o desespero
ligações
polícia
família

Não quero mais o riso retardado
nem os olhares consternados

Não quero morrer de overdose
Não quero morrer de cirrose
Não quero ser esfaqueado
Nem ser preso por algo que não me lembro de ter feito

Chega de vomitar na porta de estabelecimentos públicos
Chega de copos quebrados
Chega de esquecer meu próprio nome
Chega desses banheiros nojentos
Chega das mesmas frases e caras
Chega de paixões tipo "amostra grátis"
Chega de tudo isso
Chega!

Agora me carreguem para casa, por favor
Não consigo mais caminhar
Depois
Apaguem meu número das suas agendas
ou pelo menos não me liguem mais para farras
Talvez para ir a igreja, pra isso sim

Me larguem
respeitem meu cansaço
Não quero ser como vocês
Infelizes

Eu tenho uma razão para viver
E vou vivê-la

Por tanto digam "adeus" para o Mister
Vocês não me verão mais aqui
nunca mais!
Adeus para vocês também
Adeus para a noite
Adeus para as belas garotas
Adeus álcool
Adeus narguile
Adeus lucky
Adeus Mint
Adeus bar
Adeus amigos piratas
Adeus!

Não quero mais essa vida pra mim!

Não quero mesmo!

Não quero mais essa vida pra mim...

Não quero mesmo...

Não quero...Pelo menos não até a próxima sexta-feira
(Alberto Salgado)

3 comentários:

  1. Muito bom. Adorei teus poemas.
    Bjosss...

    ResponderExcluir
  2. Gostei =) rsrs muito bom! vc escreve bem! :D é um verdadeiro poeta...

    ResponderExcluir
  3. a boemia nos persegue que nem nazistas com os judeus

    ResponderExcluir